17/05/14

Já não vinha aqui à quase 1 ano, e agora ao ler as coisas que escrevi nestes últimos anos vi como a minha vida mudou, e como eu mudei também. Ao ler os meus desabafos apercebi-me do quanto às vezes sabe bem libertar a minha mente e escrever, do quanto o simples facto de escrever exatamente o que me vai na cabeça pode ser reconfortante. Então, à 1 ano atrás estava a escrever sobre um amor que achei ser verdadeiro, escrevia como que com o coração partido inúmeras vezes pela mesma pessoa, mas ainda assim persistia em tentar e fazer resultar. Agora vejo o quanto isso foi um erro, um desperdício de quase 2 anos da minha vida, um desperdício de lágrimas, sacrifício. Também tinha a idade que tinha, e achava que não me ia voltar a "apaixonar" por mais ninguém, queria mesmo fazer aquilo ir avante a todo o custo, e fiquei nisto mais tempo do que queria e devia. Custou ultrapassar certas coisas, custou ter passado por outras, mas tudo isso fez-me crescer imenso, e também é a errar e a dar com a cabeça na parede que aprendemos a diferenciar o bem do mal, a saber lutar pelo que queremos mesmo que as possibilidades estejam contra nós, a insistir até não existir mais "e se?" na nossa cabeça, até sabermos que fizemos tudo o que podíamos e até secalhar o que não podíamos por uma certa coisa. E foi isso que aprendi com isto, porque não vale a pena mentalizar-nos de que queremos seguir em frente se ainda temos na cabeça que podíamos ter tentado mais isto e aquilo. Sempre me achei bastante madura para ser sincera, mas ao longo do tempo e à medida que olho para trás vejo que a maturidade é algo que aumenta imenso de ano para ano, e é uma sensação bastante reconfortante vermos que crescemos, que já não cometemos os mesmos erros, que olhamos para certas situações de outra maneira porque aprendemos, às vezes da pior maneira, que certas coisas apenas não valem a pena a nossa insistência, o nosso carinho, o nosso tempo, e muito menos as nossas lágrimas.

Sem comentários:

Enviar um comentário